quinta-feira, 11 de setembro de 2008

A espera


por vezes os braços ficam aquém
a boca uma fogueira apagada
no silêncio uma janela fechada
e na alma a ausência de alguém
exala um perfume de chuva de Outono

Sem comentários: