quinta-feira, 11 de setembro de 2008


há tardes que nunca acabam
com ritmos de alvoradas por nascer
são gotas de infinito
que matam sedes de não ser

Sem comentários: