segunda-feira, 1 de setembro de 2008

sem compreender
sem nada apreender
de par em par
estrelas e luas em desalinho
vento
alado nas árvores de madrugada
presságio no uivar dos cães ao longe
e água
límpida
fresca
bebida no reverso das sedes
assim viver
ser aventurado
todo o universo
sem mais

Sem comentários: