segunda-feira, 1 de setembro de 2008


Um sorriso é um sorriso
não sei de onde virá o que o complete
ardem longe as harpas da desolação
hoje que os sinais desaguaram na noite
para que a luz se derramasse num canto do mundo sem luz
aí um coração espera
umas mãos tacteiam a luz
impossível tarefa de quem não alcança o que a visão esconde
as paredes
as muralhas
não sei
só quero que a morte não se apegue às palavras
que o sofrimento não seja uma parede de gelo
e um grito


Sem comentários: