terça-feira, 25 de novembro de 2008

Fogo



a noite em mim é ainda
uma explosão argêntea de claridade
toda a solidão e a frieza dos abandonos
em musical combustão na eternidade
de não ter sido
sou um sopro do não vivido
a brotar do fundo que não há
calam-se as esferas no firmamento
todo o meu ser é canção
a partitura é um querer ir além

Sem comentários: