terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

permanência




lenta agonia
a decomposição dos estados de alma
expostos aos elementos singrantes da eterna alba
que consome por dentro os compostos
magmáticos em estratos sedimentares
feridas do tempo preenchido de desejo e ansiedade
sombra de sombra
o desamparo e as promessas que irrompem
do fundo do esquecimento
o chão que cicatriza a perdição
a película de espuma que nos separa do abismo
e os rugidos do vento
vindo do colapso dos tempos no princípio
a memória espiralada do nada que nos regurgita
a golpes de cítara lava dos começos
o ermo labirinto de treva e fátuas aparições
plenitude naufragada no aqui

Sem comentários: