segunda-feira, 18 de maio de 2009

lonjura



ali o paraíso ali onde os pássaros parecem feitos só de som e de luz
ali no aquém de todas as partidas
a partitura de não ter sido
a alvura da noite que não passa
a completude no desabrochar interior da pele
seres do avesso alados cumpridores do não ser
ali no útero cronológico do esquecimento
tão perto e tão colapsado do aqui
o paraíso
tão irrealizável que se
que se lhe sentem todos os odores na lassidão do vento

Sem comentários: