domingo, 18 de abril de 2010

partida

Tudo se mostra

neste gesto de arredar a cortina

Para ver se lá fora chove

Tudo até as estrelas mais distantes

Assomam de leve a incomensurabilidade dum sorriso

Na verdade tudo presente e ausente

Numa ondulação de sempre

Dá uma consistência quase madura

À fugacidade das coisas

E ao de leve a noite vem

E o longe apaga-se nas cores do aqui

E do firmamento mostra a perfeição impossível

É a hora do lume e do abandono

A derrota suave de todos os começos

A muralha do sono em breve virá circundar a mente

Com um oceano de águas argênteas

E num barco de marfim

Serei de novo nauta dos avessos

Sem comentários: