domingo, 6 de junho de 2010

Narcisismo

















Narcisos

Vivemos indecisos

Divisos

A medo de crescer

Inconsequentes

Nem já a inocência das águas

Longe a verdade de Ofélia

Já longe

Na inclemência do oceano

Simulacros

Os rostos opacos

Resplendem o que há fora

A ternura

A nervura de ser gente

Ressequida

Fica na garganta

Agrura de sede

Resto de uma quimera infantil

Condenada a naufragar

E no fundo há tanta água

Mais fundo que a mágoa

Florescer

É tudo dar

Sem comentários: