segunda-feira, 9 de agosto de 2010

ucronia


lonjura sem distância
a infância do mundo
enruga-me a pele de horas passadas na crueza da espera
as palavras tornaram-se quase impossuíveis de tão repletas
os cântaros cantam o hino da frescura que brota dos úteros da terra
na fonte onde ia beber quando era menino

Sem comentários: