quinta-feira, 3 de setembro de 2015

longe



longe
na noite em que os beirais das casas sem gente por dentro
são repletos de andorinhas e sonhos desfeitos cobertos de musgo e líquenes esmeralda
a presença da desolação
faz com que os vidros que separam as coisas de estarem no fim
fiquem embaciados
e é possível desenhar neles com os dedos letras de ausência e incompletude
porque um dia passou por lá
quem estava de partida
lá onde o chão tem pedras do tamanho de romãs
algumas são pesadas e fazem doer a pele das mãos
outras apenas marginam o sítio onde se está
mas nem pegadas
nem restos de insatisfação
fica suspenso tudo o que não houve
no estendal da espera quando o vento é rubro e tem uma voz áspera
mas nem pegadas
só ervas e poucos sinais de ter havido um tempo que apontava para depois

(2008)

Sem comentários: