quinta-feira, 3 de setembro de 2015

queria amar-te


Eu queria amar-te
giesta
só perfume e resistência
ardor do sol na pele
estrela
beijo de luz apenas
de manhã somente a comunhão secreta
hóstia de afagos
apenas sorriso e esquecimento

Eu queria amar-te
praia
areia de ouro sob os pés
doçura de haver com que contar as preces
a própria incompletude do infinito
luar
na taça invertida da noite
graal que nos restitui
porque sempre fomos só um
no futuro
de onde vens a cada momento

E queria amar-te
tudo
a tua jangada para depois
o teu arremesso no longe que te sabe
aventura
todas as correntes de ar
todos os sinos de repente
todas as flores não vistas
e a dança no reduto de mármore do silêncio

Era assim que queria amar-te
rumo sem partida
viagem do regresso
Senhora da Luz todo despido
a bordo da nau do Impossível


(2008)

Sem comentários: