Sem amanhã o gume da viagem jugula a despedida
Lume de prata aceso no vítreo despontar das lágrimas
Toda a lua reflectida na inteira presença da morte
O chão tem ondulações de rocha e profundezas arremessadas de dentro
Só o mar tem fundo
Onde há mergulho é o abismo
A água amniótica do sem princípio
No reverso da qual o íntimo é praia sobre si própria projectada para além
Náufrago do instante o que se larga à demanda
Ao largo de qualquer terra firme
Argonauta do esquecimento
Sem procurar encontra-se impenitente
Aquém da inocência e da incompletude
São suas todas as horas perdidas contas de vidro antigo
Presas umas às outras pela desatenção alucinada
Os lábios gretados pelo sol rubro da espera
Desenham voos silenciosos de prece e abandono
Não tem dono o sofrimento repleto de despojos do longe já pretérito
O mais insuportável dos cárceres é o infinito

Comentários

Mensagens populares